quinta-feira, 22 de abril de 2010

Emancipação de Tamoios

Por Roberto Noronha Campos

O que vimos na ALERJ no dia 20/04/10 foi um ato de incompetência legislativa ou uma jogada eleitoral? Será que os deputados Jorge Picciani (PMDB) e Paulo Ramos (PDT), autores do projeto de lei, não sabem que antes da votação na ALERJ é necessário ter um estudo de viabilidade do município e fazer uma consulta a população mediante plebiscito? Espero que a população de Tamoios não se iluda com a “boa vontade” destes políticos...

Aproveitemos este momento para pensar novamente nos motivos da emancipação e suas consequências. Sabemos claramente os motivos. Os ploblemas são vários: abastecimento de água, esgoto, lixo, transporte, saúde, educação, emprego, infraestrutura... Mas vocês acham que a emancipação é o ato milagroso que resolverá todos esses problemas? Não se enganem ao acharem que o dinheiro dos royalties é o mais importante. O primeiro distrito de Cabo Frio também padece com os mesmos problemas, pode ser que em menor escala, mas padece. E os royalties não resolveram nada.

Os recursos financeiros são importantes sim, mas o problema de Cabo Frio (nos dois distritos), assim como de outros municípios do Rio e do país, é a gorvernabilidade. De que adiantará Tamoios se emancipar se os prováveis políticos a assumirem o executivo e o legislativo serão os mesmos que consomem os recursos de Cabo Frio em benefício próprio e de familiares e “parceiros”? Quantos empregos fantasma serão criados em Tamoios? Quais serão as empresas contradas para os serviços públicos?

Entendo a população de Tamoios ao reivindicarem o direito de emancipação. Pode ser que as coisas melhorem... Mas é preocupante ver como este processo está acontecendo, com várias pessoas pensando em como tirar proveito disso. Abra o olho Tamoios! Avaliem cada um dos “líderes” do movimento emancipacionista para não se arrependerem depois.

Deixo como sugestão a realização de grandes seminários, com a participação de estudiosos (doutores) das universidades, para aprendermos a construirmos um município, criando caminhos para o desenvolvimento, com estabelecimento de metas e planos. Se querem um município, como ele será? Se terão recursos, como eles serão usados? Pensar em emancipação é pensar na pós-emancipação. O que queremos para a saúde, para educação, para o saneamento, para o meio ambiente? Pensem e construam a cidade que vocês querem antes de tudo. Depois poderá ser tarde demais.

3 comentários:

DelGratias disse...

Esta votação me pareceu absolutamente eleitoreira. O deputado não sabia que o mínimo a apresentar seria um estudo de viabilidade do novo município. Ou contava com o estudo feito em 1991?
Muito bem dito , Roberto, a população tem que ser esclarecida.

Figueira. disse...

Muita boa colocação, meu querido! As pessoas só pensam no agora, mas o que vc falou é pertinente, e depois? Na verdade Tamoios tem que se organizar melhor. Estão tds de olho nos empregos públicos, na mamata...mas não acho que eles tem noção do que seja se emancipar. Como eles se manterão? Qual arrecadação eles tem?

A emenda pode sair pior do que o soneto...

Luis disse...

Roberto, você esta certo. Basta se aproximar as eleiçoes que logo aparecem os messias para libertar o povo. Pobre do povo que ainda acredita em messias