sexta-feira, 26 de março de 2010

Cabo Frio terá Centro de Monitoramento da Lagoa de Araruama

Por Roberto Noronha Campos

Sempre que passo pelo centro de Cabo Frio vejo as manchetes dos jornais locais fixados nas bancas para ficar a par dos acontecimentos. No dia 24/03/10 li a seguinte manchete: “Lançamento do Centro de Monitoramento da Lagoa de Araruama”. Fiquei surpreso, mais ainda quando li que a iniciativa era do município, através da Coordenadoria de Meio Ambiente. Ora, um projeto ambiental de bom gosto vindo de um município que sempre deixou o Meio Ambiente fora das prioridades? Senti-me intimado a comparecer na manhã do dia 26/03/10 no Parque Municipal Dormitório das Garças - única referencia (do poder municipal) em preservação ambiental em Cabo Frio - para conhecer e avaliar a proposta.

Na presença do prefeito, da vice-prefeita, secretário de governo, coordenador de meio ambiente e, salvo algumas exceções, um monte de puxa-sacos, o Dr. Carlos Victor (Sec. Mun. De Desenvolvimento e Meio Ambiente) apresentou algumas informações do projeto. Fiquei novamente surpreso. Um bom projeto! Serão monitorados diariamente parâmetros da água como temperatura, salinidade e oxigênio dissolvido. Trimestralmente haverá análise de nutrientes, colimetria, entre outras. E semestralmente coleta de fitoplâncton. Para Cabo Frio isso é grande passo, tendo em vista o seu estado de inércia.

Aproveito para informar que no contexto regional já temos um excelente trabalho sendo desenvolvido pelo Consórcio Intermunicipal Lagos São João que inclui o monitoramento de parâmetros físicos, químicos e bióticos em diferentes pontos da Lagoa de Araruama. A coleta de plâncton, por exemplo, está sendo realizada mensalmente. Mas isso não invalida a iniciativa cabofriense. Apesar de que o melhor seria um trabalho em conjunto, os dados do município contribuirão para o banco de dados regional.

Ao final da apresentação do secretário eu já estava com as minhas dúvidas anotadas: Qual será o equipamento utilizado para fazer as análises? Quando se iniciará o monitoramento? Quanto vai custar isso? Iludido eu fiquei, pois não houve espaço para perguntas. O momento era de discurso. E assim falaram a vice-prefeita e, em seguida, o prefeito.

Marcos Mendes disse que nunca, nenhum governo fez algo pelo meio ambiente e que o dele faz. Concordei plenamente quando ele disse “nenhum governo fez”. Não posso dizer que em 5 anos e meio ele nada fez – o Dormitório das Garças está lá – mas e o que mais? Cadê os guardas marítimos e ambientais que foram preparados para cuidar da orla marítima e do patrimônio natural? Se verificarmos no trânsito ou em prédios públicos talvez os encontremos. E o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, quando voltará a funcionar? Desde a polêmica discussão do Resort Reserva Peró ele não foi mais o mesmo. E quando serão criados o Código Municipal de Meio Ambiente e o Fundo Municipal de Meio Ambiente? Sabiam que poderíamos receber mais recursos do Estado – o ICMS Ecológico – se tivéssemos estes dois instrumentos e que para o município poder fazer licenciamento ambiental estes e o funcionamento do Conselho são obrigatórios?

Bom, espero que esta iniciativa (Centro de Monitoramento) seja combustível para novas ações em meio ambiente em Cabo Frio. Estamos muito longe do que realmente precisamos fazer para preservar nosso patrimônio natural.

3 comentários:

Inês disse...

Parabéns pela esperança sempre viva. Que ela seja recompensada.
Inês de Sá

Charles disse...

HOJE PRESENCIEI UM ATENTADO REVOLTANTE, CONTRA A LAGOA, ATOS COMUNS NO DIA A DIA DA LAGOA, INFELIZMENTE, PEIXES DE POUCO VALOR ECONOMICO SENDO JOGADO NA LAGOA, FALTA DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO DO PODER PÚBLICO.
26/3/2010.

Roberto Noronha Campos disse...

É Charles, a fiscalização é muito fraca mesmo. Falta também consciência ambiental. Tem pescadores que cometem crimes como este sem saber que estão prejudicando as suas futuras pescarias. Abraço